Ir Papilomavírus Humano (HPV): foto, sintomas, tratamento
medicina online

Papilomavírus Humano (HPV)

Conteúdos:

Foto de papilomavírus humano O papiloma, ou fibroepitelioma papilar, é uma neoplasia benigna da pele de natureza viral, consistindo de um estroma do tecido conectivo coberto por epitélio, repleto de muitos vasos sangüíneos. Esta formação é apresentada sob a forma de papilas, que se projetam para fora, crescendo em diferentes direções e lembrando flores de couve-flor em sua aparência. Uma condição na qual uma pessoa tem muitos papilomas é detectada, chamada papilomatose.

Pela natureza do epitélio, o pólipo papilar pode ser escamoso (coberto com um epitélio plano não-quadrado de multicamadas) e uma célula transicional (coberta por um epitélio de transição). Ao mesmo tempo, o estroma do tecido conjuntivo pode ser denso ou solto, por vezes com sinais característicos de inflamação. A condição na qual o estroma do pólipo papilar é altamente desenvolvido e esclerosado é diagnosticada como fibropapiloma.

Para os papilomas cutâneos, a hiperceratose significativa é característica (aumento do espessamento da epiderme) e, para formações que se desenvolvem em tegumentos mucosos, a queratinização é menos pronunciada.

Os papilomas podem ser encontrados na pele do corpo humano, nas membranas mucosas da cavidade oral e nasofaringe, na laringe, nos genitais e na bexiga.



Etiologia do papilomavírus

O papilomavírus humano (HPV) pertence à família dos papovírus, subgrupo A. É um pequeno patógeno termoestável que sobrevive bem no ambiente externo e transporta tratamento térmico. É desprovido de supercapsídeo, e seu capsídeo (membrana que protege o genoma viral de influências externas) consiste de 72 capsômeros. O vírus se multiplica lentamente e não é detectado no sangue.

O papilomavírus é um patógeno etiotrópico, capaz de acometer um epitélio plano queratinizado e não queratinizado de múltiplas camadas (pele e mucosas), bem como um epitélio cilíndrico que reveste os pulmões, canal cervical e próstata.

Penetrando em seu hospedeiro, o vírus, espalhando-se pela corrente sanguínea, é fixado nas células do epitélio, é introduzido no DNA e força-o a trabalhar de maneira diferente. Uma célula infectada com um vírus cresce rapidamente e se divide, e como resultado, depois de um tempo, um supercrescimento característico aparece na área afetada.

Atualmente, a ciência tem dados sobre mais de 120 sorotipos do vírus, 35 dos quais afetam o epitélio tegumentar e as membranas mucosas. Alguns sorotipos de HPV podem causar o desenvolvimento de patologias de câncer. Dependendo de sua capacidade de provocar câncer, eles são divididos em dois grupos principais: HPV oncogênico de baixo risco e alto risco.

Nota: Oncogenicidade é a capacidade do vírus do papiloma de causar uma degeneração da camada infectada do epitélio basal em câncer.

6, 11, 42-44 e 73 tipos de HPV são considerados vírus de baixo risco oncogênico. E 16, 18, 31, 33, 35, 39, 45, 51, 52, 56, 58, 59, 66, 68 são tipos de HPV que são considerados perigosos, isto é, sob certas condições podem provocar o desenvolvimento de um processo maligno. . Os mais desfavoráveis, segundo os especialistas, são 16 e 18 tipos, causando carcinoma de células escamosas e adenocarcinoma.

Fatores de risco que desencadeiam o desenvolvimento de PVI

Em primeiro lugar, de acordo com especialistas, são características de comportamento sexual e orientação sexual de uma pessoa. Estes incluem a vida sexual precoce, a mudança frequente de parceiros sexuais, o desrespeito pelo equipamento de proteção individual. No entanto, muitos autores argumentam que, quase sempre, o IVP está associado a DSTs (tricomoníase, clamídia, micoplasma e ureoplasmose, assim como herpes genital).

Na maioria das vezes a doença é detectada em uma idade jovem (no período de 18 a 30 anos). No entanto, ao mesmo tempo, a autocura pode ocorrer (fenômeno de eliminação), chegando a 70%. No entanto, a malignidade do PVI ocorre mais freqüentemente na idade de 45 a 50 anos.

Deve notar-se que em um paciente ao mesmo tempo não um, mas vários tipos de papilomavírus humano podem ser detectados, e esta doença é propensa a recaída.

Formas de transmissão do papilomavírus

O HPV é um agente infeccioso que infecta e transforma as células basais da epiderme. Como resultado, eles começam a se dividir, formando um pólipo papilar, ou papiloma (papila em latim significa mamilo, oma em grego significa tumor).

A transmissão ocorre através do contato com pessoas infectadas ou animais que apresentam sinais óbvios de doença, bem como com portadores do vírus que não apresentam manifestações clínicas da doença.

Os portões de entrada para a introdução da infecção são vários microtraumas da pele. A infecção ocorre com maior frequência em áreas das maiores multidões de pessoas, especialmente onde o ar é bastante úmido (em ginásios, banhos e piscinas).

Também é muito comum que as pessoas que estão envolvidas no corte de carne, aves e peixes (verrugas de açougueiro) sofram de infecção pelo papilomavírus humano.

As verrugas genitais, popularmente conhecidas como verrugas genitais, são transmitidas pelo contato sexual tradicional, bem como pelo sexo oral ou anal.

Infecção de recém-nascidos pode ocorrer ao passar pelo canal de parto de uma mãe infectada. No entanto, há evidências de infecção intra-uterina por um vírus, que comprovadamente dá à luz crianças infectadas por cesariana.

A transmissão aérea da infecção do paciente para a equipe médica durante a intervenção cirúrgica (vaporização a laser ou coagulação por ondas de rádio) também não é excluída.

Entretanto, na prática clínica, existe outro tipo de disseminação da auto-infecção pelo HPV (autoinoculação). Assim, após a depilação ou a depilação, podem aparecer verrugas planas no queixo, nas bochechas ou nas canelas, e as pessoas que roem as unhas muitas vezes têm verrugas na região periungueal.

Etapas do processo infeccioso

  1. Infecção primária.
  2. Persistência (sobrevivência a longo prazo) do genoma viral fora dos cromossomos com a produção de partículas virais.
  3. Integração (interpenetração) do DNA viral no genoma da célula hospedeira.
  4. Mutações no DNA celular que causam instabilidade genômica.
  5. Incorporando DNA viral no cromossomo do hospedeiro.
  6. O surgimento de um clone de células com DNA mutado e formação de tumor.

A ciência provou que a infecção pelo papilomavírus humano pode existir no corpo de duas formas:

No primeiro caso, o vírus vive e se multiplica, mas seu DNA não é inserido no genoma celular do hospedeiro.

No segundo caso, após infecção e penetração na célula hospedeira, o DNA viral é inserido no genoma celular e, como resultado, inicia o processo do tumor.

No entanto, muitos autores argumentam que uma única infecção do epitélio basal não é suficiente para a degeneração das células cancerígenas.

Infecções que causam o papilomavírus (de verrugas ao câncer)

O HPV pode afetar seletivamente o epitélio basal da pele e membranas mucosas, causando a ocorrência de verrugas, verrugas genitais e outras formações benignas e malignas características. No entanto, muitas vezes o processo infeccioso pode ser assintomático.

Até recentemente, a infecção pelo papilomavírus humano estava relacionada a doenças benignas. No entanto, hoje é considerada uma das patologias mais graves transmitidas através do contato sexual.

Na maioria das vezes, o desenvolvimento do processo patológico é causado por tipos de vírus não oncogênicos, e os tumores de pele que surgiram nesse caso são mais provavelmente percebidos como um defeito cosmético. No entanto, quando um humano está infectado com o papilomavírus 16, 18, 31, 33, 35, 39, 45, 52, 55, 56 e 58 tipos, displasia cervical moderada ou grave, câncer invasivo e não invasivo dos órgãos genitais internos da fêmea (vulva, vagina , colo do útero), reto e pênis.

Sintomas e formas de HPV

Foto do HPV Com o desenvolvimento da infecção pelo papilomavírus humano, o período de incubação geralmente dura de 2 a 3 meses. No entanto, em alguns casos, pode diminuir ou aumentar. Ao mesmo tempo, o HPV pode estar presente no corpo humano desde o seu nascimento, mas devido à alta persistência do sistema imunológico, muitas pessoas desconhecem sua existência, e somente com a diminuição da imunidade o vírus pode se manifestar.

Segundo as estatísticas, mais de 85% da população mundial está infectada com o papilomavírus e, portanto, sua presença no corpo é mais esperada do que sua ausência.

Quando um vírus entra no corpo, ele pode se comportar de maneira diferente, isto é, manifestar-se sob a forma de vários tipos de formações benignas na pele e nas membranas mucosas. Por isso, na prática clínica, várias formas de IVP são consideradas:

  1. Forma clínica ou manifesta. Ela se desenvolve com distúrbios transitórios da imunidade celular (por exemplo, durante a gravidez), em pacientes infectados pelo HIV e em indivíduos com imunidade específica contra o HPV geneticamente restrita.
  2. A forma subclínica da papilomatose é detectada em indivíduos imunocompetentes.
  3. A forma oculta ou latente, ocorrendo na completa ausência de sintomas, é observada quando o DNA viral entra no genoma celular.

O que é uma verruga?

Uma verruga é o sintoma mais característico e frequente de uma infecção por papilomavírus. É uma densa formação convexa de forma arredondada com bordas bem definidas, alcançando 1 cm de diâmetro. A verruga é caracterizada por uma superfície áspera e irregular, e sua cor pode variar de bege a preto. Na maioria das vezes, essas formações estão localizadas nas mãos, dedos, cotovelos e joelhos. Deve-se notar que eles são facilmente feridos.

O que é papiloma?

Os papilomas são verrugas moles arredondadas que podem aparecer em várias áreas da pele (no rosto, boca, mãos e pés, debaixo dos braços, no decote e no pescoço, e também nos genitais). São formações densas, tuberosas, arredondadas, de cor castanha clara, branca ou rosada, na altura da perna, atingindo uma altura de 1 cm, podendo, no entanto, crescer rapidamente e ocupar uma grande área da pele. Os papilomas respondem bem ao tratamento e, ao longo do tempo, em 20% dos casos, conseguem desaparecer sozinhos. Ao mesmo tempo, o risco de desenvolver um tumor maligno é baixo, e o tumor, muito provavelmente, permanece um defeito cosmético simples.

O que é um condiloma?

O condiloma é uma neoplasia benigna em pedículo curto, que causa os tipos HPV 6 e 11. Segundo muitos autores, são os condilomas que podem degenerar em tumores cancerígenos. Muitas vezes localizam-se na área urogenital, perto da boca ou perto do ânus. Nesse caso, os pólipos papilares são apresentados na forma de uma erupção cutânea, que consiste em vários elementos e possui uma propriedade característica a ser mesclada. Muitas vezes, na membrana mucosa dos órgãos genitais, torna-se semelhante à crista. Para esta forma de patologia provocada pelo HPV, o crescimento rápido é característico. Uma de suas conseqüências é o surgimento de um tumor de Bushke-Levenshteyn, caracterizado por seu enorme tamanho e capaz de crescer tanto dentro quanto fora dos tecidos.

A cor do condilo varia de vermelho a marrom sujo, mas, ao mesmo tempo, na área genital, essas formações podem ser mais claras. Ao toque, eles são mais macios e mais tenros que os papilomas e, externamente, assemelham-se a uma multidão de vilosidades incrustadas na base.

Na prática clínica, existem três tipos de verrugas: espinhosas, intraepiteliais (com um crescimento endofítico característico no interior) e planas. Todos eles, de acordo com especialistas, devem ser prontamente removidos.

Na ocorrência de crescimentos papilares, o exsudato começa a se acumular entre eles, sua superfície é umedecida, torna-se brilhante e dolorosa, e um odor desagradável, maceração, infiltração e inchaço podem aparecer. Como regra, as verrugas genitais ocorrem em locais de maior atrito e traumatização que ocorrem durante o contato sexual.

Com lesões mais profundas da uretra, os pacientes desenvolvem sintomas de uretrite (ardor, desconforto durante a micção, dor nos órgãos genitais externos e no baixo-ventre). No caso de pacientes com verrugas genitais gigantes aparecerem, eles levam à completa destruição dos tecidos, eles muitas vezes ulceram, o que, por sua vez, leva ao desenvolvimento de uma infecção secundária.

O condiloma plano é um crescimento quase imperceptível localizado nas paredes da vagina ou no colo do útero. Devido à sua invisibilidade, as verrugas planas são pouco diagnosticadas, mas, ao mesmo tempo, provocam o desenvolvimento de vários sintomas desagradáveis. Esta é a ocorrência de corrimento vaginal abundante, assim como sangramento após contato sexual e coceira na área urogenital.

Nos homens, essas formações podem ocorrer no pênis e na uretra. Na maioria das vezes, eles não se elevam acima da superfície da pele e, portanto, também são quase imperceptíveis, porém, são capazes de causar certo desconforto, queimação e coceira ao seu dono.

Se não forem tratadas, as verrugas planas podem degenerar em tumores malignos ou provocar o desenvolvimento de fimose.

HPV e gravidez

Nas gestantes infectadas pelo papilomavírus, os condilomas externos podem atingir proporções simplesmente gigantescas e, nessa situação, a porcentagem de manifestações clínicas diferentes da doença torna-se muito maior. No entanto, após o nascimento de uma criança, a autocura pode ocorrer. Essa situação é explicada por uma mudança no quadro hormonal de uma mulher, aumento da vascularização dos tecidos (formação de novos vasos sanguíneos), violação da microbiocenose vaginal e, muito provavelmente, influência na atividade funcional das células do sistema imunológico.

Todas as mulheres que planejam engravidar, os especialistas recomendam um exame abrangente para detectar a infecção pelo HPV. Se um dos graus de displasia cervical ou outras formas clínicas da doença estiver presente, a terapia anti-inflamatória e antiviral é prescrita a uma mulher grávida.

No entanto, a forma latente da infecção pelo papilomavírus humano não é considerada uma contraindicação para a gravidez.

O tratamento do IVP deve ser realizado no primeiro trimestre da gravidez. No mesmo período, é necessário remover os condilomas exofíticos existentes, uma vez que em períodos posteriores seu rápido crescimento pode ocorrer, levando a várias complicações da gravidez e do parto. Ao mesmo tempo, na presença de verrugas genitais, uma criança pode estar infectada com papilomatose laríngea ao passar por um canal de parto infectado.

Diagnóstico de PVI

Nos últimos anos, a medicina fez progressos significativos no diagnóstico de IVP. Isso se tornou possível devido à sistematização de dados sobre o HPV e doenças associadas a ele, o estudo de todas as formas de infecção existentes, muitos mecanismos da patogênese do processo infeccioso e do sistema imune, bem como possíveis alterações morfológicas.

Existem várias maneiras de diagnosticar a infecção pelo papilomavírus humano e, neste caso, os especialistas aderem a algoritmos geralmente aceitos:

  • A triagem obrigatória para o HPV está sujeita a mulheres e homens sexualmente ativos.
  • Pacientes infectados pelo HIV e indivíduos com sintomas de doenças sexualmente transmissíveis também devem ser examinados.
  • Pessoas que demonstraram fatores de risco para PVI.
  • Pacientes com papilomas genitais na cavidade oral e na região anogenital.
  • Pacientes que sofrem de várias patologias do colo do útero.
  • Casais planejando uma gravidez.

Os principais métodos diagnósticos de PVI

  1. Inspeção visual de lesões.
  2. Use uma lupa e um colposcópio.
  3. Métodos citológicos de pesquisa.
  4. Técnicas biológicas moleculares.
  5. Estudo histológico (patológico).

Todos os pacientes que foram examinados quanto à presença de IVP estão sendo testados simultaneamente para sífilis , hepatite e HIV, esfregaços são feitos para um exame bacterioscópico da descarga da uretra, vagina e colo uterino, e PCR e testes bacteriológicos são feitos para a presença de infecções urogenitais.

Via de regra, a detecção do papilomavírus não causa dificuldades: a infecção é detectada durante exames padronizados por um ginecologista ou um dermatologista. Com sintomas apropriados, a biópsia é realizada. Quando condilomas planos localizados na área anogenital são detectados em um paciente para prevenir o desenvolvimento de doenças malignas, testam-se sorotipos de papilomavírus humano com um marcador oncogênico.

Tratamento do HPV

Deve ser enfatizado que a remoção de papilomas não deve ser considerada uma cura completa para a infecção pelo papilomavírus humano, pois neste caso a pessoa não deixa de ser portadora do vírus, ou seja, em poucos anos os pólipos papilares podem aparecer novamente. É por isso que, a fim de evitar que os médicos recomendem a recuperação de todo o organismo.

No caso em que um papilomavírus é detectado em uma pessoa, o tratamento nem sempre é prescrito, mas apenas quando necessário, isto é, na presença de sintomas característicos. O sucesso no tratamento do HPV é alcançado apenas quando o paciente é prescrito com terapia antiviral e imunomoduladora adequada. Na prática clínica, existem vários métodos para remoção de papilomas e verrugas:

1. Cryodestruction, ou remoção de neoplasmas com nitrogênio líquido.

2. Tratamento a laser.

3. Método de ondas de rádio.

Hoje, a maioria dos especialistas recomenda que seus pacientes removam os pólipos papilares com uma faca de laser ou onda de rádio. Essas técnicas garantem a completa esterilidade do procedimento realizado, além de permitir que você alcance o máximo resultado estético, ou seja, após o seu uso, cicatrizes e cicatrizes não ficam no corpo do paciente.

Quanto ao procedimento de remoção a laser das formações, além da precisão insuperável, o feixe de laser desinfecta perfeitamente a ferida, além de ter um efeito regenerador na pele, ou seja, estimula o processo de cicatrização. Trata-se de uma técnica ideal, que se comprovou em ginecologia no tratamento da papilomatose dos órgãos genitais externos, bem como com sua ajuda, são removidos neoplasmas cutâneos e mucosos, provocados pelo HPV em homens.

Na maioria das vezes, após a remoção do pólipo papilar, o material retirado é enviado para o laboratório de histologia para um estudo diagnóstico.

4. A terapia imunomoduladora é demonstrada para todos os pacientes submetidos à eliminação de papilomas, o que permite consolidar o resultado obtido. Com a sua ajuda, a atividade do vírus é reduzida, bem como a prevenção do surgimento de novas manifestações do HPV.

5. Muitas vezes, no tratamento da infecção pelo pallomavirus, são prescritas preparações de interferon (substâncias à base de proteínas que aumentam as defesas imunológicas do corpo contra infecções virais).

6. A terapia com ozono provou-se bem. Это инновационная методика, предусматривающая постановку озоновых капельниц, укрепляющих иммунитет и затормаживающих вирусную активность. При этом используется насыщенный газом обычный физиологический раствор, сохраняющий свои свойства в течение 20 минут после насыщения. Озоновые капельницы, обладающие противовирусным эффектом, насыщают ткани и органы кислородом, восстанавливают клеточный состав пораженных тканей, удаляют токсины и улучшают общее самочувствие пациента. После такого лечения все проявления ПВИ исчезают на 5, а то и на 10 лет.

В том случае, когда проводится лечение ВПЧ высокого онкогенного риска, пациент в обязательном порядке должен проконсультироваться у онколога и пройти цитологическое обследование.

7. Всем больным после лечения назначаются препараты, ускоряющие заживление кожных покровов.

Примечание: только после ровного заживления кожи проведенная терапия считается успешной.

Лечение ПВИ аногенитальной зоны

При обнаружении в аногенитальной зоне плоских кондилом, в ходе лечения проводятся следующие мероприятия:

Деструктивное вмешательство, направленное на уничтожение сосочковых полипов и удаление измененного участка эпителия;

Иммуномодулирующая и иммуностимулирующая терапия;

Назначение противовирусных препаратов, которые влияют на репликацию, транскрипцию и трансформацию вирусной ДНК;

Назначение цитотоксических лекарственных средств, повреждающих или уничтожающих размножающиеся пораженные вирусом клетки;

Симптоматическое лечение и лечение сопутствующих патологий.

Примечание: в настоящее время некоторые специалисты проводят фотодинамическую терапию, предусматривающую применение фотосенсибилизаторов (светочувствительных веществ). Однако такое лечение в широкой практике пока не нашло своего применения. Также существует еще одна методика, находящаяся на стадии клинических испытаний. Она называется профилактической и терапевтической вакцинацией.

При выявлении экзофитных кондилом и при наличии типичной клинической картины папилломатоза пациентам назначается комбинированное лечение с последующим удалением новообразований. За несколько дней до операции осуществляется лечение иммуномодуляторами, интерферонами и противоопухолевыми средствами. Однако следует отметить, что этот способ, по мнению большинства специалистов, не дает выраженного терапевтического эффекта.

Вместе с тем некоторые пациенты пытаются избавиться от сосочковых полипов при помощи химических препаратов. Хотелось бы подчеркнуть, что такая методика малоэффективна, и требует многократного воздействия, а также приводит к формированию рубцовой ткани.

Субклинические, то есть не видимые невооруженным глазом проявления ПВИ лечатся так же, как и экзофитные формы, однако при этом врач должен иметь полное представление об объеме пораженных вирусом тканей. Иначе разумнее будет проводить динамическое наблюдение и использование местной иммунотерапии.

При латентной форме папилломавирусной инфекции лечение, как правило, не проводится, так как в данном случае дорогая медикаментозная терапия оказывается неэффективной, а еще, очень часто в течение 1-2 лет у вирусоносителей происходит самоизлечение (чаще у молодых женщин и мужчин).

Вместе с тем иногда латентная форма ПВИ (в10-15% случаев) переходит в субклиническую. Как правило, этому способствуют некоторые неблагоприятные факторы, а также инфекционно-воспалительные процессы, развивающиеся в аногенитальной области или в другой зоне поражения. При ослаблении иммунных сил организма и развитии хронических эндокринных заболеваний ПВИ может перейти в манифестную форму.

Чаще всего прогнозы при данном заболевании положительные, однако, в некоторых случаях после удаления сосочковых полипов могут происходить рецидивы, а также рецидивы, переходящие в злокачественных формы. Именно поэтому всем иммуносупрессивным лицам в течении двух лет рекомендовано динамическое наблюдение, контроль иммунного статуса, а также проведение регулярной кольпоскопии с последующими цитологическими исследованиями. В каждом конкретном случае лечение ПВИ назначается индивидуально с учетом возраста пациента, его иммунного статуса, локализации патологического процесса, характера изменений в области цервикального канала, а также сопутствующих урогенитальных инфекций и соматических хронических патологий.

Профилактика ПВИ

По мнению специалистов, только профилактика ВПЧ способна снизить риск развития рака шейки матки и рака полового члена. На сегодняшний день используются следующие профилактические методики:

  1. Первичная профилактика папилломавирусной инфекции. Она предусматривает своевременное выявление факторов риска и предотвращение распространения инфекции, а также сюда входит разработка профилактических вакцин и других методов предупреждения развития папилломатоза.
  2. Раздел вторичной профилактики – это скрининговая диагностика, то есть, комплексное медицинское обследование человеческого организма, позволяющее выявить заболевание на самых ранних сроках его развития.
  3. Третичная профилактика ПВИ предусматривает снижение частоты рецидивов заболевания у уже ранее инфицированных лиц.

Вместе с тем немаловажным профилактическим аспектом является сан-просвет работа с разъяснением аспектов заболевания среди населения, в частности, среди подростков, только начинающих жить половой жизнью.

Очень простой, но в то же время, эффективный способ, предупреждающий инфицирование ВПЧ – это использование барьерных методов контрацепции и предварительное обследование пар, планирующих вступать в половые отношения.

По мнению многих специалистов, профилактическая вакцинация против вируса папилломы человека также является эффективным методом первичной профилактики (особенно, если вакцина вводится еще до начала сексуальной активности).


14 Август 2014 | 25 629 | Sem categoria
Ir
  • Михаил | 25 Сентябрь 2015

    Obrigado. Пригодилось.

  • | Lyudmila | 16 Октябрь 2015

    У меня ВПЧ обнаружили в клиническом госпитале на Яузе, он у меня является причиной дисплазии шейки матки. Жаль, что в мое время от него прививок не делали.

Deixe seu feedback


Kamille Halajda: Doutor se puder me tirar uma duvida pois meu ginecologista nao explica tanto como vc. Em 2013 cauterizei uma ferida no colo do útero. Em 2018 meu Papanicolau deu normal . Em 2019 fiz o segundo exames 1) papanicolau normal... Apos isso apareceu uma unica verruga prox ao ânus e o gineco retirou com acido e realizei o 2 exame de citologia liquida em Setembro 2019 e deu negativo para malignidade. ( sei que e um exame bem específico para ver cel pre cancerígenas: deu negativo). Em 2020 estou com corrimento branco pastoso e grumoso , sem cheiro , sem irritação vaginal... ele coletou a secreção para exames e passou creme vaginal para fungo... Preciso me preocupar ? Pq diz que candidiase tem os mesmos sintomas so que o meu nao tem coceira nenhuma...A ferida pode ter voltado? Mesmo apos os exames de 2019 de setembro derem negativo para malignidade? Se puder me tirar essa dúvida fico muito grata. Ah e tomei as 3 doses da vacina com 26 anos,hj tenho 28

joseane souza: Eu fiz o exame do papa Nicolau e descobrir que tenho essa verruga marquei meu ginecologista e vou ver o que deu ele vai me endicar a fazer conversei com a médica ela falou que eu não precisava se preocupar e só ficar acompanhando mas confesso que estou muito aflita esse vídeo me ajudou muito

Ir
Ir